Posts tagged “poema

Vozes d’outros (20)

 

“esculpo a sede: nenhum desígnio será a falência de um astro.
a vertebrar uma rosa tardia sob o corpo
há a distância inconfidente
desde o princípio do espanto
ao arquejo final de uma ave no país das chuvas.
há quem me diga que nascemos fora dos sonhos
e toda a largura do corpo
é o vazio integral onde nenhuma estrela pousa.
digo-lhes que ao corpo de uma lua
reserva-se a projecção das árvores e a multiplicação da luz.
o tempo
é uma fronteira improvável para deter as águas.
haverá sempre uma seiva de maré inconsentida
a redimir a sede: uma fonte nascendo
na jugular do silêncio.”

Luísa Henriques


Vozes d’outros (18)

SOMBRAS DE SILÍCIO

 

“{comecemos por aqui}: a mesma sombra
esteve por baixo de muitos corpos, de suas
águas e urgências, algumas primitivas, que num
ápice atravessaram o subterrâneo
de todo o tempo. {e depois, porventura, alguém dirá}:
o mesmo sexo não produz o mesmo filho, bem
como a mesma frase não gera o mesmo amor.
e então talvez haja necessidade de falar por escrito,
dentre as sombras de carolinas a florir,
e escrever por exemplo isto:
não sei em que sombra te foste probabilizar. continuo
sentada sobre a memória náufraga e hirsuta
que ainda constrói
lugares distantes com aves de silício,
com corpos sem corpos que
afinal são arte, e sensações que partem
do seu epicentro
à procura de uma distância onde se possam medir.”

Sylvia Beirute


Vozes d’outros (17)

sem nexo

“dos ébrios diálogos sem nexo
farei matéria-prima
para que não se oprima a minha sintaxe
ao ferro frio do que é aceito nos salões da elite
nos requerimentos e decretos
nos livros acadêmicos

terei talvez que me livrar da biblioteca
investir o tempo nos botecos
nos mercados populares
nos bancos das praças
nos braços das putas
no psy trance, no funk, no rap hip hop

ôôôôôôôôôôô

neste ponto o poema se interrompe
não ainda para configurar a ruptura
mas para evitar um final insosso
tentemos, então, uma feijoada
ou algo de igual sustança e alento
tentemos um copo de cachaça
uma roda de samba no morro
mas o final interrompido volta à tona
tal bosta que não tolera o fundo da latrina:

se eu sumir, não der notícia,
não me procurem
terei encontrado
mais que a sintaxe das ruas
as balas perdidas da policia
uma maca infecta no corredor do pronto-socorro
um empolgante tiroteio entre milícias
um traficante transtornado vestido de rambo
um rabo-de-saia que me armou uma cilada

ôôôôôôôôôôôô

três nós de dedos na madeira
toc-toc-toc
isola

é melhor não correr riscos
conformar-me à minha sintaxe oprimida
pedir outra dose de uísque on-the-rocks
ouvir uma valsa vienense
vestir um fraque alugado
ir a paris afundar no crediário
hipotecar a casa o gato o futuro
emitir três talões de cheques sem fundos
comer salada de chuchu tomate e alface
nem um grama de gordura
abaixo a picanha, o torresmo, o miolo de alcatra
olhe o seu colesterol

ôôôôôôôôôôôô

três nós de dedos na madeira
toc-toc-toc
isola

a vida não tem nexo, meu chapa

este poema…
ôôôôôôôôôôôô
é melhor não correr riscos.”

Fred Matos


Vozes d’outros (16)

i carry your heart with me

“i carry your heart with me (i carry it in my heart)
i am never without it (anywhere i go you go, my dear;
and whatever is done by only me is your doing, my darling).

i fear no fate (for you are my fate, my sweet)
i want no world (for beautiful you are my world, my true)
and it’s you are whatever a moon has always meant
and whatever a sun will always sing is you.

here is the deepest secret nobody knows
(here is the root of the root and the bud of the bud
and the sky of the sky of a tree called life; which grows
higher than the soul can hope or mind can hide)
and this is the wonder that’s keeping the stars apart.

i carry your heart (i carry it in my heart).”

e.e. cummings


Vozes d’outros (15)

A CASA

“A minha irmã a trouxe: a foto da casa onde nasci,
como se fora uma gaivota de névoa.
Agora, a casa respira a meias com o longe
que nos separa da infância. As suas raízes
sobrevoam, tão cúmplices, tão subtis,
os nossos corações atordoados de menina.
Do fundo da tarde adivinhamos, sei lá,
o sótão pintado de pretéritas inocências,
a janelinha por onde as bolas de sabão
nos levavam, em estado de sonho,
por lugares que só o imaginário sabe.
Onde está o retrato do medo,
que sabíamos de cor, mesmo sem o olhar?
Onde está a outra menina
que connosco partilhava os frutos
de todas as estações e a quem,
também, chamávamos irmã?
Em vão, esperar a mais perfeita lágrima
para, em nome da sua ausência,
reconstruirmos a casa.”

GRAÇA PIRES


Vozes d’outros (14)

A CONCHA

 “A minha casa é concha. Como os bichos
Segreguei-a de mim com paciência:
Fechada de marés, a sonhos e a lixos,
O horto e os muros só areia e ausência.

Minha casa sou eu e os meus caprichos.
O orgulho carregado de inocência
Se às vezes dá uma varanda, vence-a
O sal que os santos esboroou nos nichos.

E telhadosa de vidro, e escadarias
Frágeis, cobertas de hera, oh bronze falso!
Lareira aberta pelo vento, as salas frias.

A minha casa… Mas é outra a história:
Sou eu ao vento e à chuva, aqui descalço,
Sentado numa pedra de memória.”

VITORINO NEMÉSIO (1901-1978)


Vozes d’outros (13)

I HAVE SUCH A TEACHER

“Last night my teacher thaught me the lesson of poverty,
having nothing and wanting nothing.

I am a naked man standing inside a mine of rubies,
clothed in red silk.
I absorb the shining and now I see the ocean,
bilions of simultaneous motions
moving in me.
A circle of lovely, quiet people
becomes de ring on my finger.

Then the wind and thunder of rain on the way.
I have such a teacher.”

 

RUMI (1207-1273)


Poema

Poetry for Poverty

http://www.flickr.com/photos/jermaister/493228555/

 

Da união
entre a tinta e o papel,
nascem os traços.

Desunidos ao início,
são pelos sentimentos do coração
entrelaçados.

Unidos,
revelam o ser
e sustentam o crer.

Na união entre a tinta e o papel,
o poema é vida
na mais incerta certeza de ser conseguida.

 

in Espelhos e outras Faces

 

Out of the union
between ink and paper,
traces are born.

Divided at first,
they’re by the feelings of the heart
intertwined.

United,
they reveal the being
and sustain the belief.

Out from the union between ink and paper,
the poem is life,
within the most uncertain certainty attained.

 

in Mirrors and other Faces