Agradecimentos – 30 Mensagens de Amor e 1 Recordação – Porto

Na tarde de hoje, 12 de Fevereiro de 2011, apresentei o meu quinto livro de poesia – 30 Mensagens de Amor e 1 Recordação – na presença de famíliares e amigos, todos apreciadores de poesia. Melhor não seria possível!

Agradeço a todos os presentes, fisicamente e em espírito, e reitero a minha gratidão ao meu editor, Jorge Castelo Branco, que acredita nas minhas palavras, à prefaciadora, Maria Luísa Malato, à posfaciadora, Hercília Fernandes, poetisa brasileira, e à Luísa Azevedo, que gentilmente deu voz aos meus poemas.

Numa ténue tentativa de retribuição, reproduzo algumas das palavras que me dedicaram.
Muito obrigado!

Estamos aqui reunidos para o lançamento deste livro, já prometido, aquando do lançamento em Outubro do ano passado de “Diálogos, Epístolas Inertes”. Oportuno dizer que seria este o livro que o autor mais vontade tinha de ver editado, na altura, mas subjugado foi por motivos menos românticos e mais materiais: Fevereiro e o Dia dos Namorados.
Como tal, achamos oportuno trazer a público, nesta data consagrada ao amor, um poemário que, no nosso entender, nos reconcilia com a poesia amorosa, empenhada que está, ultimamente, ela e os seus autores, em abordagens piegas, sensaboronas e insípidas, por um lado, ou dramaticamente pungentes, perpassadas de dores tais que fará o mais desprevenido dos leitores desejar-se beato a salvo de tão horriveis flagelações.
Oportuno dizer que escrever poemas de amor é tarefa difícil à qual nunca me atreveria; acabaria desde logo com a minha racionalidade. Depois, pela responsabilidade da tarefa: todos bem sabemos que o amor não pode ser empiricamente comprovado nem tão pouco demonstrado, apenas sentido. Ora, o efeito de um livro de poemas de amor, por consequência, será, idealmente, a capacidade do poeta em projectar por palavras e imagens poéticas algo em que o leitor comum se reveja, solidária e apaionadamente. Assim, estes 31 poemas, que o poeta escreve a destinatária certa, poderão proporcionar mês inteiro de felicidade a outro alguém.
Muito obrigado
Jorge Castelo Branco

Para uma Poética do Enamoramento
Por Maria Luísa Malato

Para falar de amor é preciso procurar as nossas origens, ir até ao mais fundo, ao mais remoto de nós. Os nossos primeiros gestos, todos desajeitados, as nossas primeiras palavras, todas novas. As primeiras lembranças que temos de ter pedido alguma coisa qualquer coisa que sabíamos fazer-nos falta. É aí que vamos encontrar o que dará origem à poesia e ao amor, é aí que vamos poder fundar a poética do enamoramento. Os académicos do século XVIII preocuparam-se muitas vezes com estas minudências: que língua falavam os homens quando começaram a falar?, que sons lhes saíram da boca que não fossem gritos vissem senão cadelas e velhas, uma palavra aramaica, francesa ou alemã lhes sairia dos lábios, demonstrando a antiguidade da religião judaico-cristã ou o primeiro testemunho da existência da nação. A maior parte das crianças morria antes de atingir sequer a idade da fala, por falta de condições ou por falta de atenção, sabendo-se hoje que levam ambas a morte quase certa. Nas raras que sobreviviam, os solícitos cientistas invariavelmente encontravam o que procuravam, uma palavra que reconheciam, quase sempre com “mm” e “aa”, que afinal bem podia ser a imitação dos animais com que as crianças conviviam. Mas talvez a explicação mais fácil se encontre no corpo. O som “a” é a vogal mais fácil de pronunciar pelo aparelho fonador: a boca aberta, a língua baixa, o ar sai passando intacto pelas cordas vocais. O “a” sai de nós com a mesma naturalidade do espanto, da gargalhada ou do grito: aaahhh. O som “m” é a consoante que mais se lhe assemelha, mas o ar ai, com os lábios levemente cerrados, bilabiais, sem que haja necessidade sequer de premir os lábios, mas fazendo vibrar as cordas vocais, soltas: é como se fosse um longo gemido, de prazer ou de queixa: mmm. Juntos, levemente nasalada a vogal, saem com o véu palatino descontraído, mal fechando as fossas nasais. As mães fizeram certamente batota quando reservaram para si estes sons na maior parte das línguas do mundo: quase todas com “m” e “a”, “m” e “e” central e médio, ainda ou sobretudo nos diminutivos carinhosos: mãe, mamã, madre, mummy, mother, muther, moether, moder, umame, umme, man, mat, mam, me…
Para dizermos “pai”, ou ainda “papá”, o bebé aprimora a cavidade bocal. Já sabe jogar com os sons, já fez bolinhas com a saliva, divertiu-se a acumular o ar junto aos lábios cerrados com força e a de repente soltá-los como balão que se pica: pppp, bilabial como o mmmm, mas agora oclusiva e sem a vibração das cordas. Os sons que designam o pai são já sinal dessa força que é preciso ter para representar a “virilidade” muscular. À naturalidade com que pode sair-nos da boca a palavra “mãe” corresponde a igualmente necessária disciplina com que nos sai a palavra “pai”. Talvez não seja por acaso que muitas línguas opõem a naturalidade silenciosa da palavra “amor” à disciplina violenta da “paixão”. Nascemos do pai e da mãe. Como a poesia nasce da união do amor com a paixão, um doce, outra violenta, curiosamente trocados os artigos, como se o “o” do amor fosse a ponta negra do yang, diurno, e o “a” da paixão a ponta branca do yin, nocturno, alertando-nos para o quão falíveis são as divisões entre o masculinno e o feminino. Nos poemas de Vicente Ferreira da Silva, é também evidente essa mesma tensão: “Acontece poesia em ti/ sempre que olhas/ afirmando uma vida pulsante (…) Acontece poesia em ti/ sempre que ris/ criando umas curvas no rosto (…) Assim/ quando/ eternamente te penso (…) acontece também/ poesia em mim” (p. 13).
Para falar de amor é preciso sabermos que não nos bastamos. Toda a nossa identidade, construída laboriosamente á volta do “eu” e do “tu”, como se duas coisas autónomas fossem no universo, se desejam agora fundir num estranho “nós”, um singular-plural em que o “eu” e o “tu” se perdem ou se não conseguem bem encontrar: “Eu sou eu/ por tu seres./ Sou!/ Sou tu e eu/ sou nós./ Serei/ por ti/ nunca mais eu” (p. 25). O não nos bastarmos, porém, tem os seus perigos. Os perigos do amor, que são os mesmos que a guerra tem e por isso se dirá sem dúvida que no amor e na guerra vale tudo. Há no amor um dissimulado colonizador do “tu” que deseja tomar posse do seu território, o território do “eu”, filho dilecto dos deuses. Posse, bandeira, padrão, “pertença”: “Explorar – respondi./ (…) Quero o universo do teu ser,/ conhecer/ Para assim/ com uma pequena parte de mim/ o preencher” (p. 39). E por isso o“nós” está sempre por fazer ou refazer, exigindo “Viagens”, “Transformações”, “União”, “Dádiva”: “Procuro-te/ incessantemente./ Desejando/ que sim” (p. 45).
Para falar de amor é preciso enfrentar a desordem do discurso. O amor é um querer incompleto, por fazer, e por isso ao amoroso incomoda a frase feita, a sintaxe ordenada e fechada, como se o mundo estivesse todo feito. O amoroso sabe do seu estado fragmentado e nada mais lhe saem da boca, nada senão fragmentos, como ele estilhaços. Frases nominais, sem sujeito ou predicado, repetições, tentativas sempre imperfeitas. Busca-se em vão o adjectivo exacto, o termo rigoroso para o caos: “novos,/ opulentos,/ partilhados,/ queridos,/ responsáveis,/ sinceros,/ tentadores,/ únicos,/ variados,/ Xpto’s/ zodiacais./ És uma sucessão…” (p. 41). As palavras são peças de um puzzle, ainda sem um sítio certo: “A paz que me dás./ O amor que me tens./ O bem que me fazes” (p. 67). O amador demora-se nas hipérboles, só elas lhe parecem verosímeis, porque toda a atenção amorosa se centra em pormenores, peças soltas desmedidamente ampliadas: “Eu me ouso” (p. 61).
Para falar de amor é preciso amar, ainda que mal. Mesmo se para amar não seja preciso falar de amor e ele somente o peça como o código pede a formulação da lei, uma lei performativa, que seja real porque diz que é real: “Mas nunca pensei que as minhas palavras pudessem ser razão./ É por isso que me desprendo da mudez./ Porque amo o verbo” (p. 76). O amor ilude-se com as “declarações de amor”, as “promessas de amor”, as palavras. E por isso busca um estatuto literário, de estranhamento instituído: entre a declaração de amor, “Amo-te!” e o reconhecimento de “Ser amado” se instale um “Âmago” de discussão, âmago oco porque não resolvido pelo discurso: “Tu perguntas? Eu penso!/ Não sei porque […]/ Não sei porque […]/Não sei porque […]Não sei porque […]/ Tu perguntas? Eu respondo./ Não sei explicar […]”. Como também por vezes se basta com a mais comum das declarações: “Amo-te/ em todos os momentos./ Amo-te/ mesmo nos momentos/ que não são momentos/ nem pausas, porque até nas pausas te amo” (p. 65).
Para falar de amor é preciso desafiar o nosso manifesto interesse em ser amado. É aceitar afinal não ser amado e amar desmedidamente sem retorno, sem paixão e sem jogo, amor coxo, é certo, órfão de pai, mas fiel a um contrato injusto. Ainda assim naturalmente doce e fluido. Significativamente “30 mensagens de amor e uma recordação” são 31 dias de um monólogo que busca constantemente o diálogo, interpelando o outro, suplicando, recordando, prometendo, afeito a um “amo-te” que se transforma em “amei” ou “amar-te-ei”. Dádiva em todo o caso: “E seremos criadores do tempo. Nunca mais sozinhos ou transviados, mas entregues ao bater do coração, no embalo do sentimento que nos faz e preenche” (p. 82).
Para falar de amor é preciso falar do caminho que vamos abrindo ao caminhar. Caminho nunca feito, sempre a repetir, até o trigo e o joio desistirem de tapar o âmago de onde todos nascemos. Os nossos primeiros gestos, todos desajeitados, as nossas primeiras palavras, todas novas. As primeiras lembranças que temos de ter pedido alguma coisa, qualquer coisa que sabemos fazer-nos falta.

E, por fim, reproduzo uma carta que a Hercília Fernandes escreveu como resposta às 4 cartas que são oferecidas no livro, todas elas começando por: Minha Querida.

Caro Vicente,

sinto as tuas palavras como ondas eletromagnéticas, tamanhas as forças a nos atrair os sentidos, os pensamentos, convidando-nos à vida, à beleza, ao multiverso.
Imensos e ínfimos são os teus sentires. Assim como as laudas que, ora unidas, separam-nos os Oceanos…
Falas-me: “Cada um de nós cria os seus mecanismos para lidar com os sentimentos”. E metaforizas: “a geografia é uma esquina escondida”.
Bem sinto a tua ‘emoçãofísica’… A tua metáfora alçada na simplicidade da expressão, simultaneamente lapidada no complexo festim dos conceitos quânticos.
O sentimento, afetuoso amigo, sopra-nos contínuas e descontínuas proximidades, mas as distâncias consumem-nos as ânsias quando edificadas sob abismos.
Pois há areias em nossos olhos. Mudez em nossas línguas. Surdez em nossos ouvidos…
Há, ainda, rudeza em nossas mãos que não dispõem perspectivas às infinitudes do toque, mostrando-nos incapazes de ultrapassar fronteiras, os imediatismos das sensações, os dedos…
Dizes, meu querido, tens pensado a palavra sentida…
É essa palavra que procuro expandir-te. Somente assim poder-me-ia alcançar-te, unir-me a ti nesse sonho tardio, móvel, acordado…
Pois essa palavra interessa-nos à poesia. É essa palavra, como bem disseste, origem do pensamento sentido; guia-nos aos sonhos e confere unicidade ao instante poético, por isso mesmo ressoa e repercute nos sentidos, sentimentos e conceitos dos que a lêem, transformando-os.
Posto ser ancestralidade e infinitude. Élan entre memória e imaginação: devaneio.
E é no devaneio [poético] que nos tornamos Uno. Abrimos (des)caminhos à múltiplas potencialidades, vivências estéticas, experiências cósmicas, capazes de nos restituir a plenitude de nossa primeira constituição.
Falar-nos-ia um filósofo sonhador que o poeta não recua diante um gesto cósmico. Em sua ardente memória, o poeta sabe sê-lo um gesto da infância: como duvidar de um amante que por amor a sua amada ambiciona “apanhar a lua ”?…
Não temas em atrever-te, meu querido. As tuas palavras são melodias emergidas da solidão do poeta, do silêncio inaugural em que ressoam as “cordas da Harpa do Cosmos”. Por isso há – como pretendera a engenhosidade do Físico -, de apanhar-te a Lua, oferecê-la à tua Amada, unificando os corpos que, celestemente, habitam-nos os sonhos.
És um sonhador. Custa-te a longevidade do tempo e o curto espaço de separação… Tua alma clama poesia, daí a natureza de tua ‘emoçãofísica’, de tua ardente recordação, de tua saudade. Porém, tu sabes: “a lua, esse grande pássaro louro, tem seu ninho nalguma parte da floresta ”.
E, nessa parte ínfima, há realidades (im)possivelmente críveis…

Com a sinceridade dos afetos,
Sua Querida

One response

  1. Vicente!

    Meu querido poeta!

    Fiquei muito emocionada ao ler o que a ti foi dirigido por Jorge Castelo Branco, Maria Luisa Malato e Hercília Fernandes.Emocionada por saber de um momento tão importante e especial, e feliz por ver realizado mais um passo em teu caminho.

    Parabéns à todos, principalmente à ti que deixarás este livro de amor para a humanidade já esquecida da existência de tão sublime sentimento.

    Parabéns, poeta!

    Beijos

    Mirze

    Fevereiro 28, 2011 às 02:20

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s