Agradecimentos – Diálogos, Epístolas Inertes – Lisboa

No passado domingo, apesar das circunstâncias originadas pela Cimeira da NATO, apresentei o meu último livro de poesia em Lisboa, num ambiente intimista, rodeado de amigos, meus e da poesia. Não podia pedir mais. Nem peço!
Agradeço a todos os presentes e reitero a minha gratidão ao meu editor, à Maria Azenha, cuja voz deu e dá vida aos poemas, e à Maria do Sameiro Barroso, que verdadeiramente me surpreendeu nas palavras que dedicou, a mim e ao meu livro, e que aqui, ainda emocionado, reproduzo.

Muito obrigado!

 

“DIÁLOGOS, EPÍSTOLAS INERTES”

Vicente Ferreira da Silva

PALAVRA, (DES)ENCANTO (IN)FINITO

Neste livro de poesia, o quarto de Vicente Ferreira da Silva, a palavra constitui-se a partir do próprio movimento da criação, suspensa entre cânones, símbolos, imersos na vastidão da sua génese. Respiração original, fonte e redenção fundam as suas linhas na ôntica espiral que liga o ser e o cosmo. O universo abre-se, subitamente, para celebrar o amor, o orvalho, a harmonia, a fugacidade dos seres. Entre fingimento e verdade, a procura mais íntima apreende o uno, o múltiplo, o vazio, o plural, a partir do sonho e da metáfora onde a realidade se desagrega e a matéria poética se transforma.
Os “mitos”, os “ritos”, as “mesas de café” convivem lado a lado. Topázios de luz percorrem esta escrita, balizando o eu e o infinito num quotidiano talhado entre o ser e o nada. Harmonizam-se descontinuidades, opostos. Cada civilização cria os seus deuses. Na sua ligação com o transcendente, o homem confronta-se com a esperança e com o logro. À criação dos deuses, soma-se a existência dos ídolos e dos deuses menores. É com eles que “as criaturas” devem partilhar os “pés de barro” (p. 38).
Portadora de uma mensagem lúcida e desenganada, esta poesia verte, no entanto, em si, “sangue iluminado/cantos nocturnos” (p. 39) no espaço da identidade consubstanciada no “lugar-casa” (p. 39), habitação que o amor potencia a tudo se sobrepondo na sua totalidade. Os poemas nascem de novas ondas que sempre se renovam e a infância acorre:

“A nossa infância foi aqui!
aí criamos estrelas” (p. 47).

A tradição, retomada no segundo poema do livro, remonta aos alvores das civilizações, à beira do primordial, abarcando “hieróglifos”, impressos nas “enseadas” onde:

“as nuvens são hieróglifos magnéticos
suspensos do tempo azul” (p. 15).

O diálogo não é apenas o movimento autor para o leitor, mas uma leitura entre outros tempos: “inconstante é o diálogo/entre as eras” (p. 49). Conhecer o passado? Conhecer o presente? Entender o presente, conhecendo o passado? Este é o movimento que urge porque “permanente é o desejo de criação” (p. 49). É nele que o caos, amálgama informe, cria novas harmonias, como se pode ler no poema “Vida”:

Dançam os tons das eras nos espasmos da criação.
instantes únicos,
fazem o colectivo do tempo.

nem os receios da génese se afastam.

quanta beleza há no caos?(p. 18).

No espaço do texto, o universo dita a medida das palavras, que o quotidiano estreita e onde o desencanto se afunda. Algo como o próprio tema da “morte da arte” ( Umberto Eco, A definição da Arte (La definizione dell’Arte, U. Mursia & C.,1968, 1972), tradução de José Mendes Ferreira, Edições 70, Lisboa, 2008, p. 123) parece pairar, nos paradigmas da modernidade, dos quais emergem as novas poéticas. É neste caudal, que Vicente Ferreira da Silva inscreve a sua inquietação ontológica, reinventando formas, conteúdos e normas, seguro que, tal como expressou Umberto Eco:

«Não pensamos através do corpo, mas com o corpo. A Beleza não é um pálido reflexo de um universo celeste que entevemos com esforço e realizamos imperfeitamente nas nossas obras: a Beleza é esse quê de organização formal que sabemos extrair das realidades que nos tocam dia a dia.» (Umberto Eco, A definição da Arte, p. 201).

Nesta poética, em que “todo o silêncio nos faz tempo supremo” (p. 50), a coerência institui-se no diálogo com a beleza, reconstituindo o mundo intacto e primordial dos afectos e dos seres. Tal como definiu Jean Cohen:

“O mundo poético é o mundo humano e a poesia é o mundo que o descreve na sua verdade.” [Jean Cohen, A Plenitude da linguagem (Teoria da poeticidade) (le Haut Langage: theorie de la Poeticite) Coimbra, Almedina, 1987, p. 157].

Na inquietação que Vicente Ferreira da Silva revela na sua poesia:

“as cartas escrevem-se em letras transparentes
e reescrevem-se permanentemente” (p. 52).

O processo criativo é formulado com toda a dor e angústia que subjaz aos processos naturais de crescimento, patente no poema “palavras-lágrima” (p. 57). Na realidade:

“ninguém sabe por que se medem as distâncias da separação
ou porque choram os diamantes pelo tempo de carvão” (p. 66).

Consciente dos limites do homem, mas desperto também para outros níveis da realidade que a poesia desperta, no que Paul Valéry caracterizou como o estado poético (Paul Valéry, Discurso sobre a Estética, Poesia e Pensamento Abstracto, tradução Pedro Schachtt Pereira, Lisboa: Vega, 1995. p. 63), com os quais a escrita se estabelece como uma ponte ou uma continuidade:

“a morte é um ciclo que se desenrola em simultâneo vigor.
apenas o som é diferente do fulgor da vida. (p. 75).

Segundo Emmanuel Lévinas: “O tempo não é a limitação do ser, mas a sua relação com o infinito. A morte não é aniquilação, mas questão necessária para que esta relação com o infinito se produza.” (Emmanuel Lévinas, Deus, a Morte e o Tempo (Dieu, la Morte t le Temps), tradução e nota de apresentação Fernanda Bernardo, advertência e posfácio Jacques Rolland, Coimbra: Almedina, p. 45.).
Por isso, às “cinzas. cinzas sem Fénix” do poema que abre o livro “Cânones”(p. 13) que remetem para o desencanto da realidade do quotidiano, vão-se sobrepondo:

“estrelas que tombam,
rasgam a noite
como Fénix prometidas.” (p. 47).

Pela mediação poética, segundo Paul Valéry: “O poema não morre por ter vivido: ele é feito expressamente para renascer das cinzas e para infinitamente se tornar naquilo que sempre terá sido.” (Paul Valéry, Discurso sobre a Estética, Poesia e Pensamento Abstracto, p. 79).
Nas suas potencialidades, a poesia transfigura e transforma, tal como expressa Vicente Ferreira da Silva, enunciando o eixo sobre o qual se desenrola toda a criação:

“toda a pedra se abre!
dela irrompe a metamorfose do ouro (p. 61).

Na formulação de espaços sucessivos, o poema transcende o endo-espaço do eu poético, dilatando-se numa sucessão infinita. Ao poema “Morte” (p. 79), segue-se o último poema do livro “Peregrinação” (p. 80).
Para Emmanuel Lévinas: “A morte não é então o acabar de uma duração feita de dias e de noites, mas uma possibilidade sempre aberta.” (Emmanuel Lévinas, Deus, a Morte e o Tempo, p. 70)
E Vicente Ferreira da Silva interroga: “É verdade que o arpão das trevas é complacente?” (p. 79).

Maria do Sameiro Barroso

Vicente Ferreira da Silva
“Diálogos, Epístolas Inertes”
Edium Editores, 83 páginas.

6 responses

  1. Maria Antónia Moreira Anacleto Pereira Leite

    As palavras que são a ti dedicadas Vicente e ao teu livro, pela Maria do Sameiro Barroso, são de em “ENCANTO INFINITO”. Eu que já li o livro também senti emoção, a minha alma tremeu porque amei com ternura todas as palavras que li.
    “…O universo abre-se, subitamente, para celebrar o amor, o orvalho, a harmonia, a fugacidade dos seres…”
    Parabéns.

    Novembro 23, 2010 às 22:04

  2. Vicente!

    Todas as palavras de Maria do Sameiro Barroso, são significativas e revelam uma pequena pétala que o livro contém!

    Parabéns, meu poeta!

    Você merece, e nós agradecemos!

    Aplausos!

    Mirze

    Novembro 23, 2010 às 22:22

  3. Uma apresentação belíssima. Um texto de inteligência e sensibilidade.

    Tive a oportunidade de o dizer pessoalmente.

    Obrigada,

    mariah

    Novembro 24, 2010 às 08:28

  4. oceanus

    Que maravilhosas palavras,

    Delicadas e de uma sensibilidade inteligente.

    “as cartas escrevem-se em letras transparentes
    e reescrevem-se permanentemente”

    Os mais sinceros agradecimentos por mais este livro …

    Novembro 24, 2010 às 23:50

  5. Hum … Umberto Eco, Valery como referências citadas para a tua poesia?
    Devias estar nas sete quintas. Estou mesmo a ver comovido e sem saber o que dizer…

    Mas parabéns, por escreves muito bem e mereces os elogios.

    Beijinhos
    Mónica

    Novembro 26, 2010 às 19:33

  6. Graça Pires

    Fico à espera que envie o livro autografado com o seu nib para lho pagar.
    Beijos.

    Dezembro 1, 2010 às 12:08

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s