Vozes d’outros (24)

Café do Molhe

“Perguntavas-me
(ou talvez não tenhas sido
tu, mas só a ti
naquele tempo eu ouvia)

porquê a poesia,
e não outra coisa qualquer:
a filosofia, o futebol, alguma mulher?
Eu não sabia

que a resposta estava
numa certa estrofe de
um certo poema de
Frei Luis de Léon que Poe

(acho que era Poe)
conhecia de cor,
em castelhano e tudo.
Porém se o soubesse

de pouco me teria
então servido, ou de nada.
Porque estavas inclinada
de um modo tão perfeito

sobre a mesa
e o meu coração batia
tão infundadamente no teu peito
sob a tua blusa acesa

que tudo o que soubesse não o saberia.
Hoje sei: escrevo
contra aquilo de que me lembro,
essa tarde parada, por exemplo.”

Manuel António Pina

5 responses

  1. Pingback: Twitted by vmbmfs

  2. Ana F

    Manuel António Pina é um grande escritor e poeta.
    Boa escolha.

    Ana

    Setembro 27, 2010 às 12:08

  3. excelente!

    .
    um beijo

    Setembro 27, 2010 às 17:18

  4. Meu poeta querido!

    Uma escolha perfeita! Manuel Antonio Pina, me emocionou nas últimas estrofes : “Porque estavas inclinada de um modo tão perfeito sobre a mesa
    e o meu coração batia tão infundadamente no teu peito sob a tua blusa acesa”

    Divino!

    Obrigada por ser apresentada a esta leitura!

    Beijos

    Mirze

    Setembro 27, 2010 às 23:28

  5. Que bela voz!
    Que bela escolha!

    Outubro 3, 2010 às 23:01

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s