Cadências


Under a Pink Sky, originally uploaded by idashum (away).

 

o crepúsculo liberta as almas selvagens
como se o leito das amazonas sobrevivesse sem magnólias leves
ou se a recordação das lavadeiras da aldeia branca
dependesse dos sonhos das mulheres modernas.

o som dos lenços desdobrados faz as crinas densas do entardecer.
nesse manto despontam estrelas novas,
abertas ao momento do firmamento.

o céu que se eleva no horizonte
é o berço das águas sagradas em desfolhar.
e os dias são amplos membros em origem
que abrem os véus do tempo ao sangue das valquírias.

com as faces protegidas em armaduras,
as almas alimentam os estandartes escarlates
que afogam a expressão dos rostos.
e ninguém percebe as lágrimas da saudade,
fonte dos verões estivais e dos buracos negros
onde se projectam os símbolos do futuro.

o mutismo dos sinais propicia enredos em discórdia.
genuinamente, faz-se o sangramento das palavras
dificultando os sons das velhas alianças.
as bocas estão secas ao reconhecimento
quando o clamor dos corpos abafa os moderados.

eis que a logística do confronto torna as palavras incompletas
desunindo o amor pela natureza oposta,
sufocando os lábios dos sorrisos no ardor ao cumprimento entre iguais.

letras são fragmentos, parcelas das conversas
que outrora preencheram o convívio nas lajes da aldeia.
agora, outras deusas vigoram!
ufano, o sacerdote preenche o púlpito em júbilo:
– preparai as engrenagens das mecanizações hostis.

o culto da flebotomia inflamou os espíritos à loucura
e a exaustão da cegueira foi integral,
alastrando às investidas gretas na terra,
derramando o pulsar interior no vão da desumanidade.

assim adveio a época do rio de púrpura,
pleno de linfa viscosa,
onde naus são carruagens e as margens coral petrificado:
jaz aí a tolerância e a harmonia do paraíso.

mas o totem da energia primordial tem raízes no tempo.

ciente dos espasmos destrutivos,
o sábio plantou palavras em terra tenra,
num ângulo obliquamente pronunciado,
para que as magnólias surgissem num leque de lágrimas rejuvenescidas.

o tempo decorre na companhia da acção humana.

a redenção é uma semente escondida numa flor de música.
tal como é ténue a cadência da aragem,
a harmonia é uma brisa esquecida.

que permanece no raiar do jardim da esperança!

6 responses

  1. Belíssimos versos, numa cadência de tirar o fôlego!

    Como uma exegese de um metafórico desafio entre a humanidade e a natureza.

    Resta-nos a redenção, o desafio em encontrá-la numa brisa esquecida em algum jardim da esperança.

    Maravilhoso!

    Parabéns, Vicente!

    Beijos

    Mirse

    Abril 26, 2010 às 03:02

  2. Que dizer sobre este poema?

    Que rejuvenesce a esperança.

    Alberto

    Abril 30, 2010 às 15:33

  3. Anabela

    Belo. Apenas belo!

    Maio 2, 2010 às 23:47

  4. tantas e tão ricas as imagens desta “Cadência”,mas vou destacar um:

    “ciente dos espasmos destrutivos,
    o sábio plantou palavras em terra tenra,
    num ângulo obliquamente pronunciado,
    para que as magnólias surgissem num leque de lágrimas rejuvenescidas.”

    Lindíssimo, Vicente. Aí reside toda a esperança.
    Abraço.
    PAZ e LUZ

    Maio 3, 2010 às 20:23

  5. Dá gosto visitar seu blog. Quanta coisa maravilhosa.

    Abraços

    Maio 5, 2010 às 22:22

  6. Maria José Lacerda

    Bom dia VIicente…é um prazer começar a manhã com palavras cheias de vida…desperta-nos a mente…dá-nos uma visão diferente…

    “….o tempo decorre na companhia da acção humana.

    a redenção é uma semente escondida numa flor de música.
    tal como é ténue a cadência da aragem,
    a harmonia é uma brisa esquecida.

    que permanece no raiar do jardim da esperança!”
    …senti um renascer…uma esperança viva…a correr num rio interior…gostei da visão sentida…obrigada pela partilha…beijo…

    Agosto 30, 2011 às 10:38

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s