Vozes d’outros (3)

EM CADA PALAVRA UM POUCO DE SANGUE

“Quem se julga dono da viagem
navega no vazio – nem a todos cabe
ter por amante a água, a sua têmpera
lunar. Nem o silêncio carnal
das raparigas. Nem o brilho fugaz
das palavras.”

De Casimiro de Brito in Arte de Bem Morrer

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s